quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Da edição corrigida

voltar linha acima
para apagar o erro
na edição corrigida
e ao fazê-lo
ver que inda antes
não serve mais o argumento
e aí retirá-lo
para que a ideia
caminhe sem peso

mas já na frente notar

a falta de senso
do exemplo
a que ali remetia

era só ênfase?


então apagar

as oito folhas de texto
insones sobre o meu leito

o que era manuscrito

forjar um palimpsesto
ao nome que é renitente
vazá-lo com estilete

do que ficar será feita

nova edição reduzida
sem rastro de biografia
perfeita esteticamente

daí é só deixar

crescer a rama daninha
do tempo.

O gosto imediato

te olhar como
uma fruta madura
e sorver o cheiro doce
que dás

apalpar-te como

um pêssego
e demorar-me
na alegria do teu veludo

não cravar-te logo

o dente e secar-te
o sumo

mas na faca

tirar-te a casca
decorosa

ver-te a úmida carne

sujar-me os dedos
então cortar-te
com a lâmina sonora
até tocar-te o fundo

tua semente

o teu caroço
o duro do 
teu corpo aberto

partir a carne

até que a essência
que te elevou da terra
sorria nua
e transparente
ao meu pensar ereto.